Farol

Últimas Notícias, Histórias Inspiradoras

Os novos talentos do mundo digital que as empresas precisam de atrair

12 Outubro, 2016

As organizações que souberem adaptar-se a estas novas necessidades irão certamente ganhar uma vantagem competitiva em relação às restantes.

A Mckinsey publicou recentemente um artigo acerca da forma como um ambiente de rápida mudança digital está a alterar o tipo de competências de TI que são fundamentais nas empresas. As organizações que souberem adaptar-se a estas novas necessidades irão certamente ganhar uma vantagem competitiva em relação às restantes.

O tipo de talento que as empresas digitais precisam pode variar de acordo com o mercado, mas existem alguns traços comuns cruciais a qualquer negócio digital: opera rapidamente, é ágil, responsivo, focado no cliente e capaz de criar insights. Eis alguns dos talentos que reúnem esse tipo de competências:

  • Experience designers e engineers

Investir em talento TI que permita proporcionar uma boa experiência ao cliente é fundamental. Estes profissionais estão particularmente focados em criar insights através da análise de dados do cliente e interpretar comportamentos do consumidor através de métodos test-and-learn, traduzindo estes insights e ideias em soluções que utilizem ferramentas de design.

  • Scrum masters e agility coaches

Dentro da metodologia “scrum” (que impõe a auto-organização e capacidade da equipa para fazer mudanças rapidamente), o scrum master assegura a gestão das equipas durante o processo de desenvolvimento. São indivíduos com grandes capacidades de liderança e para resolver problemas rapidamente. Por outro lado, os agility coaches têm o papel de “agentes da mudança” que transformam a forma de pensar e agir da empresa. Têm fortes skills de comunicação e persuasão, criam planos que sustentam os processos ágeis da organização e determinam os KPIs e métricas para analisar o progresso.

  • Product owners

Este papel é por vezes referido como o mini-CEO de um produto digital. Os product owners definem a visão do produto, têm autoridade para tomar decisões de grande valor para o negócio e estão altamente focados nos KPIs que quantificam o progresso. Para desempenhar este papel é fundamental ter visão estratégica, foco no valor quantificável do produto para o negócio, capacidade de decisão e experiência em gestão de produto.

  • Arquitectos full-stack

Este profissional deverá não só estar familiarizado com todas as componentes tecnológicas que incluem a interface web/mobile do utilizador, micro-serviços de middleware e bases de dados back-end, como ser um perito em pelo menos uma destas áreas.

  • Machine-learning engineers de nova geração

Este novo tipo de inteligência artificial que concede aos computadores a habilidade para aprender por si mesmos requer um novo tipo de software engineer que saiba utilizar conjuntos de dados, programar em ambientes de programação escaláveis (Cloud, Hadoop, etc) e perceba como refinar os algoritmos utilizados nos seus códigos de software.

  • “DevOps” engineers

As organizações precisam de DevOps (integração de development e operations) engineers para navegar num ecossistema de programação baseado em infraestruturas cloud em rápida mudança. Estes podem criar ferramentas que permitam às equipas de desenvolvimento automatizar os processos através de acesso a recursos de infraestrutura (servidores, aplicações, armazenamento, etc) à distância de um clique.

O sucesso de uma empresa numa era de transformação digital não passa apenas pela componente tecnológica. Mas saber reconhecer que novos talentos de TI são necessários e entender que métodos de recrutamento são eficazes na sua atração/retenção é fundamental para a mudança.

Relacionados